Nº 59 | setembro / outubro 2014
História

Museu Malba Tahan (Queluz-SP) | Da Redação

Localizada no largo da matriz de São João Batista, o casarão onde hoje se situa o Centro Cultural Malba Tahan foi construído, em 1824, pelo pároco, com o objetivo de torná-lo Casa Paroquial.

Sua estrutura, típica do Brasil colonial e que se estendeu por longo período, incluindo o século XIX, foi erigida em taipa, técnica arquitetônica baseada no uso de uma mistura bem dosada de argila e areia e alguma fibra vegetal, crina de animal ou mesmo estrume.

Na parte inferior foi utilizada a técnica construtiva da taipa de pilão, enquanto na parte superior, as paredes foram erguidas recorrendo à taipa de mão ou de sopapo.

Quando da elevação do povoado de Queluz à condição de Vila, em 1842, o casarão foi cedido pela paróquia para ser transformado em Santa Casa de Misericórdia, assim permanecendo até meados da década de 1910.

Em 1915, o Capitão José Carlos de Oliveira Queiroz, abastado fazendeiro da cidade, decidiu doar o terreno para a construção da nova Santa Casa. Uma vez em funcionamento, nova obra misericordiosa permitiu que o casarão retornasse à administração eclesiástica que passou a alugá-lo durante mais de 50 anos.

Quando o município decidiu apropriar-se do imóvel, restaurá-lo e transformá-lo em um espaço cultural na cidade, decidiu-se também homenagear um de seus mais ilustres cidadãos, filho porque não dizer: Júlio César de Mello e Souza, o Malba Tahan.

Embora nascido no Rio de Janeiro, Júlio César, muito antes de se tornar Malba Tahan, passou sua infância e parte da adolescência com a família, em Queluz-SP.

Ali publicou seu jornal artesanal (O Erre) e ali montou sua exótica coleção de sapos. Ele próprio, em entrevista concedida ao Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, no dia 25 de abril de 1973, declarou:

"Cheguei a ter uma coleção muito interessante de sapos. Cheguei a ter cerca de 50 sapos no quintal de casa, todos eles educados por mim, muito atenciosos e muito obedientes. Eu os comandava com chicote de corda desfiada. Com aquele chicote eu os tocava pra fora, pra dentro, e eles atendiam ao meu chamado. [...] Mais tarde, eles fizeram uma maldade. Quando eu vim para o Colégio Militar, eles dispersaram a minha coleção, fizeram uma 'sapotagem'. Coisa que foi muito desagradável pra mim. Cheguei lá e os meus sapos tinham sido atirados no rio Paraíba alguns, e outros tinham desaparecido".

Após estudar no Colégio Militar do Rio de Janeiro e no Colégio Pedro II, decidiu fazer o curso normal para ser professor. Primeiro de História e Geografia, passando pela Física, somente depois decidindo-se, por questões pragmáticas, dedicar-se ao ensino da Matemática.

O Centro Cultural Malba Tahan é um espaço público aberto aos mais diversos eventos culturais e educacionais, além de buscar se constituir, desde sua instalação, em um centro de referência para as pesquisas ligadas a Malba Tahan.

Ampliar imagens

Em seu espaço acontecem exposições, palestras, conferências, workshops, cursos de formação, além de, obviamente, visitações de estudantes e turistas interessados em conhecer um pouco da vida e da obra professor que conseguiu construir, como ele próprio diz citando um de seus críticos, o mais bem elaborado caso de "mistificação literária" que o Brasil já conheceu.

No casarão de taipa também é possível encontrar objetos, documentos e informações arqueológicas e históricas sobre a cidade de Queluz-SP.

Durante algum tempo, documentos, livros e objetos pessoais de Malba Tahan, cedidos pela família, eram encontrados no Museu.

Infelizmente, dadas às condições de descuido do poder público com tão significativo acervo, durante vários anos, fez a família decidir-se pela sua remoção para outra instituição, sendo escolhida a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para ser a nova depositária da preciosa coleção.

Os demais objetos e documentos do Museu Arqueológico e Centro Cultural Malba Tahan, todavia, permanecem expostos e à disposição de visitantes interessados em saber mais a respeito da história desta cidade, hoje às margens do rio Paraíba e da Via Dutra, que alcançou a condição de município no ano de 1876.
Horário de funcionamento:
Segunda a sexta-feira
Das 8 às 11h. e das 13 às 17h.
Praça Padre Francisco das Chagas Lima, 272
Centro - Queluz-SP
Telefone: (12) 3147-1200
Entrada gratuita
 
 
 
 
  © 2007 • 2014 Jornal O Lince, tem o que ler  | Tel.: (12) 9 9138 5576 | redacao@jornalolince.com.br
  Rua Alfredo Penido, 101, Jardim São Paulo
  Aparecida, SP | CEP 12570-000