Nº 50 | março / abril 2013
Drops

Albert Camus | Da Redação

Vou-lhe dizer um grande segredo, meu caro. Não espere o juízo final. Ele realiza-se todos os dias.

Quando procuro o que há de fundamental em mim, é o gosto da felicidade que eu encontro.

Não se pode criar experiência. É preciso passar por ela.

Não ser amado é falta de sorte, mas não amar é a própria infelicidade.

A tentação mais perigosa: não se parecer com nada.

A imaginação oferece às pessoas consolação por aquilo que não podem ser e humor por aquilo que efetivamente são.

A estupidez insiste sempre.

Tenho uma pátria: a língua francesa.

Sem a cultura, e a liberdade relativa que ela pressupõe, a sociedade, por mais perfeita que seja, não passa de uma selva. É por isso que toda a criação autêntica é um dom para o futuro.

Não há que ter vergonha de preferir a felicidade.

Não há ordem sem justiça.

Nenhum homem é hipócrita nos seus prazeres.

A criação é a mais eficaz de todas as escolas de paciência e de lucidez.

O absurdo é a razão lúcida que constata os seus limites.

Toda a infelicidade dos homens nasce da esperança.

Todo o cumprimento é uma sujeição. Obriga a um cumprimento maior.

Antes, a questão era descobrir se a vida precisava de ter algum significado para ser vivida. Agora, ao contrário, ficou evidente que ela será vivida melhor se não tiver significado.

Se o homem falhar em conciliar a justiça e a liberdade, então falha em tudo.

Não quero ser um génio... Já tenho problemas suficientes ao tentar ser um homem.

Todas as revoluções modernas contribuíram para o fortalecimento do Estado.

O homem não é nada em si mesmo. Não passa de uma probabilidade infinita. Mas ele é o responsável infinito dessa probabilidade.

Já é vender a alma não saber contentá-la.

Nunca alguém será livre enquanto houver flagelos.

Revolto-me, logo existo.

A vida é a soma das suas escolhas.

Somos responsáveis por aquilo que fazemos, o que não fazemos e o que impedimos de fazer.

Não caminhes na minha frente; eu posso não segui-lo. Não caminhe atrás de mim; eu não posso conduzi-lo. Apenas caminhe a meu lado e seja meu amigo.

Ampliar imagens

Um homem é mais homem pelas coisas que silencia do que pelas que diz. Vou silenciar muitas. Sabendo que não há causas vitoriosas, gosto das causas perdidas: elas exigem uma alma inteira, tanto na derrota quanto nas vitórias passageiras.

Criar é viver duas vezes...

Sempre acabamos adquirindo o rosto das nossas verdades.

Abençoados os corações flexiveis; pois nunca serão partidos.

É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico.

O êxito é fácil de obter. O difícil é merecê-lo.

Charme é um meio de obter um sim sem fazer uma pergunta clara.

Por que sou um artista e não um filósofo? É que penso segundo as palavras e não segundo as ideias.

O sinal da juventude talvez seja uma extraordinária vocação para as felicidades fáceis.

Os tristes têm duas razões para o ser: ignoram ou esperam.

Mesmo sentado em um banco dos réus é sempre interessante ouvir falar da gente.

A primeira coisa que um bom cientista faz quando está diante de uma descoberta importante e tentar provar que ela esta errada.

Amo ou venero poucas pessoas. Por todo o resto, tenho vergonha de minha indiferença. Mas aqueles que amo, nada jamais conseguirá fazer com que eu deixe de amá-los, nem eu próprio e principalmente nem eles mesmos.

O erro é acreditar que é preciso escolher, que é preciso fazer aquilo que se quer, e que, para ser feliz, existem condições. A única coisa que conta é a vontade de felicidade, uma espécie de enorme consciência, sempre presente. O resto, mulheres, obras de arte ou sucessos mundanos, são apenas pretextos. É uma tela em branco que aguarda nossos bordados.

Ela refletia tudo sem nunca refletir, e que, com tanto silêncio e sombra, conseguia ficar à altura de qualquer luz.
 
 
 
 
  © 2007 • 2014 Jornal O Lince, tem o que ler  | Tel.: (12) 9 9138 5576 | redacao@jornalolince.com.br
  Rua Alfredo Penido, 101, Jardim São Paulo
  Aparecida, SP | CEP 12570-000