Nº 44 | março / abril 2012
Entrevista

Vera Lúcia Lopes | Da Redação

A organização da Festa de São Benedito de Aparecida trouxe importante inovação para a 103a edição de uma das mais tradicionais festas do país: através da Comissão Histórica, convidou a Profa. Vera Lúcia Lopes, bacharel em Ciências da Religião, para proferir uma palestra sobre a Festa de São Benedito em Aparecida-SP, objeto de sua pesquisa entre 2007 e 2009. Para Vera Lopes, as festas do catolicismo popular tem importância fundamental enquanto espaços de educação, de resistência e de reorganização social.
A palestra aconteceu no dia 28 de março, no auditório do Seminário Santo Afonso, em Aparecida-SP.
Confira a entrevista que Vera Lopes concedeu ao JORNAL O LINCE.

O LINCE – O que a levou a estudar as festas de São Benedito?

VERA LOPES – Depois de buscar algumas festas do Catolicismo Popular por admirar as festas que mobilizam um grande público com características especificas de demonstrações devocionais, resolvi que estudaria as mesmas particularidades em festas de Santos Negros. Assim, optei por São Benedito por ter este santo dados que se assemelham com a minha própria história. São Benedito, negro natural da Sicilia, nascido por volta de 1526, filho de africanos da Etiópia que também vive a situação de escravidão.
Fui aos poucos descobrindo particularidades especificas como ser este o primeiro negro canonizado como santo que tem festejos em datas diferentes, ou seja. São Benedito recebe homenagens todos os meses do ano.

O LINCE – De acordo com seus estudos, como situar historicamente a presença das festas de São Benedito nas diferentes regiões do Brasil?

VERA LOPES – Primeiro, São Benedito se torna um santo popular, tendo dados de sua história de vida que muito se assemelham com a vida da população mais sofrida do país; está ligado a questão alimentar: sabe-se que Jesus alimenta a multidão e Benedito não despede ninguém com fome. É um santo que intercede pelas dores do povo em qualquer situação.
Sabemos a história do menino que o mesmo carrega em seus braços, a criança vitima de acidente vem a falecer e Benedito fala pra mãe não duvidar e acontece que a criança tida pela mãe como morta, volta a viver. Temos informação dos incontáveis milagres daquele que, antes da sua canonização, o povo já o proclama santo.

O LINCE – Quais razões explicam o fato de as festas de São Benedito serem realizadas em épocas diferentes do ano?

VERA LOPES – Embora esta flexibilidade de datas tenha despertado a minha curiosidade não me debrucei para coletar informações mais precisas, já que o meu foco era saber as contribuições sócio-religiosas para os participantes devotos de São Benedito. Quando perguntado, as pessoas respondiam que achavam muito bom, pois podiam louvar o santo muitas vezes por ano com muita festa.

O LINCE – Que características fazem semelhantes as celebrações em diferentes regiões do país?

VERA LOPES – A demonstração de fé e devoção ao santo por pessoas de diferentes etnias e situação sócio-econômica, sempre tendo entre seus devotos, a grande maioria, negros que expressam a sua devoção fazendo memória a cultura local, fazendo sempre referências religiosas de seus ancestrais. Mostra disso temos as expressões plásticas e musicais.

Ampliar imagens

O LINCE – O que torna a Festa de São Benedito de Aparecida diferente das demais?

VERA LOPES – Por ter ali um espaço de santuário que traz a padroeira do país, sendo Nossa Senhora da Conceição Aparecida “negra” como Benedito, que tem a sua entrada na história do povo brasileiro trazida por negros em situação de escravidão.
A Festa em Aparecida se apresenta com a característica da casa da mãe onde os filhos respeitam e são sempre bem vindos(as). Isto é muito claro na celebração da Missa Conga onde as posturas demonstram a contrição litúrgica dos presentes e naquele tempo da celebração pode se observar que as pessoas oram, são fraternas e solidárias.

O LINCE – Como a senhora avalia a importância de São Benedito para o catolicismo popular?

VERA LOPES – Penso que as respostas anteriores já apontaram o porquê da importância de Benedito no contesto do Catolicismo Popular. Poderíamos lembrar os conceitos de popular e até mesmo o envolvimento das autoridades eclesiais nos festejos de São Benedito na cidade de Aparecida.

O LINCE – Sobre o trabalho que ora se inicia – através da Comissão Histórica – de dar às pessoas a possibilidade de melhor compreender o significado cultural da festa através de palestras proferidas por especialistas com formação acadêmica. O que acha dessa ideia?

VERA LOPES – Penso que a festa poderá ser potencializada com informações que estarão enriquecendo as ações dos organizadores, as reflexões propostas para a novena e tríduo, a reflexão sobre alteridade e equidade.
Porém, faço aqui uma observação que a meu ver merece alguns cuidados. Seria interessante saber o foco das pesquisas, o envolvimento sócio-político-religioso das pessoas convidadas, pois podemos ter pesquisas que favoreçam com seus dados coletados, a reflexão cristã, comprometida com o projeto de Jesus Cristo, vivido com toda intensidade por São Benedito, que fez do projeto de Jesus sua proposta de vida.
Não desconsiderando os trabalhos que são realizados com o foco sócio-antropológico ou tantos outros apenas para cumprir um trabalho acadêmico.

O LINCE – Há alguma outra consideração que gostaria de fazer?

VERA LOPES – somente agradecimento por ter a oportunidade de expor algumas considerações do meu trabalho e sobre a minha admiração por São Benedito que acredito zela por muitos e muitas; e desde que comecei a estudar sobre ele venho recebendo graças e mais graças pela sua intercessão.
 
 
Alternativa Informática Polimédica
 
 
  © 2007 • 2014 Jornal O Lince, tem o que ler  | Tel.: (12) 9 9138 5576 | redacao@jornalolince.com.br
  Rua Alfredo Penido, 101, Jardim São Paulo
  Aparecida, SP | CEP 12570-000